HAMILTON DE HOLANDA

Blog


Crítica: Hamilton de Holanda mostra seu olhar sobre Pixinguinha em DVD

Bandolinista e amigos se lançam com devoção e liberdade sobre obra do homenageado

Hamilton de Holanda com o acordeonista Richard GallianoFoto: Divulgação
Hamilton de Holanda com o acordeonista Richard Galliano - Divulgação

-

POR LEONARDO LICHOTE

23/08/2016 4:30
-

RIO — Pixinguinha é, sim, “muito grande, uma bandeira”, como define o pianista cubano Omar Sosa, um dos convidados do DVD “Mundo de Pixinguinha — Ao vivo” (Brasilianos/ Crioula Records/ Canal Brasil). O registro do show — feito a partir do disco em homenagem ao compositor lançado por Hamilton de Holanda em 2013 — ilumina essa grandeza, mas não se limita a isso.

O bandolinista e seus amigos se lançam com devoção sobre a obra de Pixinguinha, mas sobretudo com absoluta liberdade — assim, tendo um artista como ponto de partida, se esparramam sobre temas ainda maiores, como o Brasil (Villa-Lobos, Paulinho da Viola, Luiz Gonzaga), o mundo (nas composições próprias de cada um) e o sentido das fronteiras (afirmadas e dissolvidas a cada compasso).

Hamilton tem um único momento solo, a abertura, com “Naquele tempo”, afirmação clara desse encontro de devoção e liberdade. Depois, o que se vê é o diálogo vivo e quente de percepções musicais e linguagens únicas que se encontram no prazer acima da técnica (impecável em todos eles).

O pianista André Mehmari é o primeiro a ser chamado a dividir o palco com Hamilton. Juntos, homenageiam Pixinguinha tangenciando-o. Primeiro, em “Nasce um anjo” (do pianista) e “Capricho de Pixinguinha” (do bandolinista). A primeira tem o enlevo de culto, da Beleza com maiúscula, enquanto a segunda carrega o sabor de chão negro, amaxixado — amarrando duas perspectivas de Pixinguinha que se completam.

Ao lado de Sosa, em números como “Yaô” e “Dos caminos”, Hamilton explora terrenos como o samba-jazz e o bebop — as sandálias do pianista marcando o tempo no chão e os búzios no seu pulso próximo das teclas ajudam a explicar o que se ouve ali. O acordeonista francês Richard Galliano faz de “Agradecendo” uma valsa francesa, visita Dominguinhos (“Ciao São Paulo”, dedicada a ele) e Sivuca (“Feira de mangaio”). O italiano Stefano Bollani mostra sotaque carioca na fala e na leitura de “Segura ele” e mesmo no humor de sua “Il Barbone di Siviglia”.

Do início ao encerramento, com “Carinhoso”, Hamilton e seus amigos revelam mais de seus olhares sobre Pixinguinha do que do próprio Pixinguinha. Bandeiras servem pra isso, no fim das contas — referências cujo sentido reinventamos e a partir das quais nos reinventamos.

“Mundo de Pixinguinha — ao vivo”

Hamilton de Holanda

Cotação: Ótimo

Hamilton de Holanda lança vídeo clipe de “Vai trabalhar vagabundo”

“Vai trabalhar vagabundo” é o primeiro vídeo clipe do recém-lançado “Samba de Chico”, álbum em homenagem ao centenário do samba e ao Chico Buarque, que traz 12 releituras de sambas do compositor carioca e uma música autoral que dá nome ao trabalho.

Gravada há 40 anos, “Vai trabalhar vagabundo” ganha uma nova roupagem com Hamilton de Holanda e Chico Buarque. Dirigido por João Felipe Freitas, o clipe conta a história de um músico feirante que aproveita seu descanso para tocar bandolim.

No clipe, o bandolim de 10 cordas de Hamilton é elegantemente acompanhando por Thiago da Serrinha na percussão e pelo contrabaixista Guto Wirtti. O bandolinista conta ainda com a participação do pianista italiano Stefano Bollani. O trabalho ganha o aval do homenageado, que há mais de 20 anos não cantava “Vai trabalhar vagabundo”.

Compre o CD: https://geo.itunes.apple.com/br/album…

Siga Hamilton de Holanda no Spotify: https://open.spotify.com/artist/5Bn4j…

Hamilton de Holanda celebra a música mundial em novo formato

Hamilton de Holanda viaja pelo tempo e pelos continentes, celebrando em formato acústico a música mundial e alguns de seus autores. No palco, seu bandolim de 10 cordas é elegantemente acompanhando pelo contrabaixo acústico de Guto Wirtti e pela sanfona de Marcelo Caldi.

O formação em trio não é novidade para os fãs de Hamilton de Holanda. Em 2013, o bandolinista lançou o premiado disco Trio com percussão e contrabaixo e, recentemente, gravou neste mesmo formato o álbum Samba de Chico (Biscoito Fino), um tributo ao centenário do samba e ao compositor Chico Buarque. Para Hamilton, que tem diversos trabalhos, destacando-se o duo com o pianista Stefano Bollani, o Quinteto Brasilianos e o irreverente Baile do Almeidinha, o Trio Mundo catalisa o improviso, a alegria e a sofisticação acústica. Além disso, essa formação lhe permite muita liberdade para improvisar e expor suas ideias harmônicas, melódicas e rítmicas de forma confortável.

D0 acaso de uma incompatibilidade na agenda dos músicos do Trio para uma residência em um dos principais Jazz Clubs da Suíça, surgiu uma oportunidade. Essa necessidade levou Hamilton de Holanda a recorrer a uma nova formação, unindo a harmonia da sanfona de Marcelo Caldi ao dueto de bandolim de 10 cordas e contrabaixo acústico, instrumentos, na sua opinião, universais que representam várias culturas de países diferentes. Assim nasceu o Trio Mundo, um novo trabalho focado na beleza e na versatilidade da música universal. Juntos Hamilton de Holanda, Guto Wirtti e Marcelo Caldi fizeram uma maratona de dez shows no Bern Jazz Festival, na Suíça, consolidando de vez o novo formato.

Esse formato me dá a possibilidade de dar uma pequena volta ao mundo sem sair do bandolim. Marcelinho e Guto são músicos que também gostam de rodar por aí através das melodias, então é muito legal pra nós e para o público, que também viaja através de músicas com diferentes sotaques e sabores!”, explica Hamilton de Holanda.

A busca de Hamilton não é simplesmente pelo novo, mas por uma música focada na beleza e na espontaneidade. Diante dele, existe um novo mundo cheio de possibilidades. Seu norte é “Moderno é Tradição”, o importante não é o passado, nem o futuro, mas a intercessão entre esses dois tempos, exatamente onde se confundem, o momento presente, o “é” - aqui e agora. E é exatamente nessa premissa que vemos nascer o Trio Mundo.

O instrumentista, cantor, compositor, educador e arranjador Marcelo Caldi se tornou um dos músicos responsáveis pela revitalização da sanfona no cenário da música contemporânea. Guto Wirtti,  instrumentista, compositor e produtor, mescla suas influencias regionais do sul do país com os sons do mundo. Ambos conduzem a música de forma criativa e espontânea. Uma grande semelhança entre eles é que, assim como Hamilton de Holanda, os dois cresceram em famílias musicais.

No repertório do novo trabalho, Hamilton de Holanda mescla releituras de clássicos da música mundial e temas autorais. A cada show um repertório novo pode acontecer. Entre os temas autorias “Nafrenavo” – uma homenagem póstuma de Hamilton ao percussionista Nana Vasconcelos, “1 Byte 10 cordas”, e alguns de seus Caprichos. Entre os clássicos, Segura Ele (Pixinguinha), Folk Song (Chick Corea), “Blackbird” (Beatles), “Amarcord” (Nino Rota), ”Laurita” ( Richard Galliano), “El Saltarin” (Luis Laguna)  “Antonia” (Pat Metheny) , “Zyriab”(Paco de Lucia) , “Luiza”(Tom Jobim), Carl Linnaeuss Polones (canção tradicional da Suécia), “Canto de Ossanha” (Baden Powell), entre outros.

Boas novas do Almeidinha

Às vésperas de completar quatro anos de existência, o Baile do Almeidinha atravessa o Atlântico e realiza sua primeira turnê internacional, com duas apresentações em importantes festivais na Europa. A primeira será no próximo dia 10 de julho na 50º edição do Montreux Festival, na Suíça. Na semana seguinte, dia 16 de julho, o Baile do Almeidinha apresenta da música instrumental brasileira no Mimo Festival Amarante, em Portugal.

Fotos Nando Chagas para Baile do Almeidinha

No Montreux Festival, a Magnífica será a banda da ’Brazilian Dream Night‘. Além de Hamilton de Holanda, a escalação da Noite dos Sonhos apresenta Ana Carolina, Elba Ramalho, Ivan Lins, João Bosco, Martinho da Vila e Vanessa da Mata.

Já no dia 16, o Baile do Almeidinha será atração principal do Mimo Festival Amarante. Hamilton de Holanda (Bandolim 10 cordas), Marcelo Caldi (Sanfona), Rafael dos Anjos (Violão 7 cordas), André Siqueira (Percussão), Xande Figueiredo (Bateria), Guto Wirtti (Contrabaixo acústico), Edu Neves (Sax e Flauta) e Aquiles Morais (Trompete), recebem a cantora catalã Silvia Perez Cruz e os portugueses Miguel AraújoMario Lucio Souza.

Assista como foi a participação de Silvia Perez Cruz no Circo Voador em abril:

(imagens Acervo Circo Voador)

E ainda vai rolar workshops gratuitos no Mimo. Hamilton de Holanda, Guto Wirtti, Xande Figueiredo e Marcelo Caldi participam da Etapa Educativa transmitindo conhecimento a jovens profissionais e estudantes de música, no Centro Cultural de Amarante. Mas esse portugueses são sortudos, hein?!

Mas não pensem que os cariocas ficarão sem sua tradicional edição mensal do Baile do Almeidinha. No dia 21, Hamilton de Holanda e a Magnífica voltam à lona da Lapa e recebem os paraenses Manoel e Felipe Cordeiro. A noite terá abertura do Sexteto Curupira e discotecagem do DJ Lencinho. E em agosto teremos duas noites (dias 4 e 18 de agosto) para comemorar os quatro anos do baile queridinho dos cariocas! Tá achando que só os portugueses são sortudos? Pois não! Sorte temos nós, cariocas e Almeidas por natureza! :)

Foto Felipe Diniz para Circo Voador

E os três primeiros cariocas sortudos que enviarem um email pra vivi.drumond@gmail.com com a frase “eu li o post até o final” no assunto, ganham 1 par de ingressos pra curtir o Baile no Circo Voador.

Hermeto Pascoal: o som do infinito

A primeira vez que assisti a Hermeto Pascoal foi uma grande revelação : dava pra ver as notas que saiam da cabeça e o do coração indo direto pro nosso ouvido. A impressão que tive é que o tempo entre as ideias que ele parecia ter e o momento em que os dedos tocavam as teclas do piano não existia, isso para um jovem músico de 16 anos foi impactante. Até então, conhecia o Hermeto de seu famoso Chorinho pra ele, que adorava tocar. Não sabia da sua capacidade de improvisação e criação espontânea. Quem me falava muito dele na infância era Pernambuco do Pandeiro, que foi o líder do primeiro Conjunto profissional que Hermeto tocou, o Regional de Pernambuco do Pandeiro. Ele foi meu padrinho musical e era muito amigo de Hermeto.

Passei então a ouvir mais a sua obra: Slave Mass, Só não toca quem não quer, Festa dos Deuses, Cérebro Magnético, Zabumbê Buá, entre outros. Mergulhei nas suas harmonias e melodias. Estudei ritmos e polirritmias. É uma obra atemporal e muito profunda. Profunda porque tem o que há de mais brasileiro em sua essência. Ele vai fundo no que diz respeito a sua raiz nordestina. Ao mesmo tempo tem uma imagem de música feita pelo universo, porque não se encaixa em apenas um gênero específico, em um padrão único. Além disso, ela pode ter a melodia mais simples e linda e também os ritmos e acordes mais elaborados, com todas as matizes de sensações. Hermeto, acima de tudo, sente e faz. Ele é puro coração, sua música me sugere todo tipo de sentimento e sensação.

Eu tocava com meus amigos em Brasília as músicas de Hermeto: Rogério Caetano, Daniel Santiago, Gabriel Grossi, Amoy Ribas, André Vasconcellos, entre outros. As músicas nos desafiavam o tempo todo, ao final de cada tema vinha uma sensação de vitória, como se tivéssemos ultrapassado uma grande barreira técnica e emocional. Nessa época, conheci o Marcio Bahia. Grande baterista, figura amável que tocava com Hermeto. Ele fez a conexão e marcou uma visita em Bangu, no Rio de Janeiro, onde o Hermeto morava. Fui com o André Vasconcellos e dois integrantes do grupo de Choro Rabo de Lagartixa, Dani Spielman e Marcello Gonçalves. Assim que chegamos, o mago Hermeto nos levou para o estúdio e ali mesmo, sem cerimônia, começou a fazer uma música para nós.

Era impressionante ver e participar daquele momento de criação. Me lembro que ele usou o cavaquinho e o piano para compor. No começo, achei que ele inventava as frases e ia colando, como uma colcha de retalhos. Quando chegou ao fim, tive outra impressão : cada frase que ele criava tinha vida própria, mas quando ele juntou tudo, a música apareceu e a ideia musical fez todo sentido. Quando fui embora, tive a certeza que aquilo que vivi tinha sido muito especial e que iria lembrar a vida toda. A música ficou com o nome ‘Lagartixa de ouro’.

Tive outras experiências musicais com Hermeto. Uma certa vez em Londres, participei da comemoração de seus 75 anos de idade no Barbican. Foi outra forte emoção: de um lado do palco o Grupo de Hermeto quebrando tudo, desfilando temas e mais temas. Do outro lado, uma big band comandada pelo pianista Jovino Santos Neto tocando composições do ‘Campeão’ em um nível maravilhoso. Foi uma pancada. O Grupo tocava uma, a Big Band, outra. Era lá e cá. Cada tema diferente do outro, muito bom. Neste dia, toquei algumas músicas com eles, foi fantástico. Deu pra ver de perto, mais uma vez, a capacidade de comunicação com o público que ele tem, mesmo sem falar inglês. As brincadeiras musicais são sempre surpreendentes. A música de Hermeto é bem-humorada. Ele tem uma empatia muito grande com as pessoas, sabe fazer o público se sentir bem e se sentir parte do show.

Nesse dia acho que ele tocou teclado e alguns instrumentos não-convencionais : taça de vinho, patinho de criança e a própria barba. Já vi ele tocar, além do piano, saxofones, flautas, violão, viola, trompete, bandolim, pandeiro e outros. Todos com uma musicalidade fluente e comovente. O que mais me encanta na sua personalidade como compositor é a capacidade de fazer uma música super simples, daquelas melodias que fazem até uma pedra chorar e também aquelas encrencas, com muita elaboração e complexidade.

A última vez que fez as contas de quantas composições ele tem, recentemente, chegou ao número aproximado de 8000 músicas. É capaz de ser mais do que isso. Se em um ano ele compôs 366 temas para todos os aniversariantes – o famoso Calendário do Som, de 1996 – e há muito tempo segue nessa pegada, ele deve estar perto do infinito. É isso mesmo, se o amor pode ser infinito, a música de Hermeto Pascoal é o som do infinito.

Hamilton de Holanda para o site do Museu da Imagem e do Som.