HAMILTON DE HOLANDA

Blog


Hamilton de Holanda ganha Latin Grammy com Samba de Chico

Na última quinta, 17, aconteceu a 17ª premiação do Grammy Latino, em Las Vegas. Nas categorias mistas, Hamilton de Holanda se destacou e levou o gramofone por Música Instrumental pelo seu 30º disco, Samba de Chico. Lançado no primeiro semestre do ano, o trabalho é uma homenagem ao centenário do samba e ao compositor Chico Buarque.

Hamilton de Holanda, com seu bandolim de 10 cordas, é elegantemente acompanhando por Thiago da Serrinha na percussão e pelos contrabaixistas (revezando) Guto Wirtti e André Vasconcellos. O bandolinista conta ainda com as participações internacionais do pianista italiano Stefano Bollani nas faixas ‘Vai trabalhar vagabundo’ e ‘Piano na Mangueira’, e da cantora catalã Silvia Perez Cruz que canta ‘O meu amor’ e ‘Atrás da porta’ – ela confessa que aprendeu a cantar ouvindo o nosso idioma. O trabalho ganha o aval do homenageado em duas faixas, ‘A volta do malandro’ e ‘Vai trabalhar vagabundo’, música que não cantava há mais de 20 anos. “E o bandolim, rodeado de amigos, mostra suas raízes e seus frutos.”, finaliza Hamilton de Holanda.

O bandolinista foi diversas vezes nominado ao prêmio, sendo premiado também na edição de 2015, na categoria Melhor Canção Brasileira com “Bossa Negra”, parceria com Diogo Nogueira e Marcos Portinari.

Nove de seus discos configuram nas listas de indicações do prêmio: ‘Brasilianos’ (entre os melhores discos instrumentais no Latin Grammy 2007), ‘Brasilianos 2’ (entre os melhores discos de Jazz de 2008), ‘Luz da Aurora’, parceria com Yamandú Costa (indicado ao Melhor Disco Instrumental de 2010), ‘Brasilianos 3’ (nominado nas categorias Melhor Disco Instrumental e Melhor Engenharia de Som de 2012), ‘Hamilton de Holanda Trio’ (indicado entre os melhores discos de música Instrumental na edição de 2013), ‘Caprichos’ (nominado ao Grammy de 2014 como Melhor Disco Instrumental), ‘Bossa Negra’ (nominado Melhor Disco de Samba/Pagode de 2015 e nominado e premiado Melhor Canção Brasileira de 2015), ‘Baile do Almeidinha’ (nominado ao Latin Grammy 2015 como Melhor Engenharia de Som) e mais recentemente ‘Samba de Chico’ (nominado ao Latin Grammy 2016 como Melhor Disco de Música Instrumental e Melhor Engenharia de Som).

Abrace a Alegre

Hamilton de Holanda participa, dia 6 de novembro, do tradicional evento solidário em prol da Abrace (Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias) em Brasília. Este ano, o bandolinista lança seu primeiro disco infantil, Alegria, no show natalino, que irá recepcionar o Papai Noel no Shopping Conjunto Nacional.

Hamilton de Holanda sobe ao palco com o irmão Fernando César (violão 7 cordas) e o grupo Regional: Junior Ferreira (acordeon), Pedro Vasconcellos (cavaquinho), Thanise Silva (flauta), Valerinho Xavier (percussão), Leander Motta (bateria) e Oswaldo Amorim (contrabaixo). O repertório do show transporta adultos e crianças para as aventuras do Sítio do Pica-pau Amarelo, com o tema clássico de Gilberto Gil, para as missões resgate da princesa Peach, de Mario Bros, e ainda para um tour por Bedrock, cidade natal de Fred e Barney, ao som de Hoyt Curtin. “Asa branca”, de Gonzagão, e a inédita “Melancia” também estão entre as escolhidas para animar a tarde natalina em Brasília.

Hamilton de Holanda lança “Alegria” em edição especial do Baile do Almeidinha

Alegria, alegria! Hamilton de Holanda e A Magnífica celebram o Dia das Crianças com o lançamento do primeiro disco infantil do bandolinista e a estreia do Bailinho do Almeidinha no Circo Voador.  Pai de duas crianças, Hamilton de Holanda vem constantemente dialogando com o universo infantil, seja na composição de temas inspirados na garotada, em workshops e oficinas dedicadas à educação musical, ou mesmo nas rodas familiares com o filho Gabriel e o sobrinho Bento.

Ano passado, durante uma turnê em Cuiabá, o bandolinista embarcou numa viagem musical com a Orquestra do Estado de Mato Grosso, regida pelo maestro Leandro Carvalho. O resultado é “Alegria”, o 31º disco de carreira de Hamilton, que será lançado em uma edição especial para crianças do Baile do Almeidinha, dia 12 de outubro, no Circo Voador. Alegria no Circo, como foi apelidado o evento, vai reunir oficinas e música em uma tarde pra lá de divertida na lona da lapa.

A programação começa às 14h com oficinas de capoeira, dança, pintura, grafite, palhaço e horta orgânica. Às 15h, a nutricionista Gabriela Kapim, que comanda o programa da GNT “Socorro, meu filho come mal”,  convida as crianças a explorarem sensorialmente os alimentos e suas preparações na oficina Estação do Sentidos. Às 17h, Hamilton de Holanda (bandolim 10), Marcelo Caldi (acordeom) Rafael dos Anjos (violão 7 cordas), Thiago da Serrinha (percussão), Xande de Figueiredo (bateria), Eduardo Neves (sax e flauta) e Aquiles Moraes (trompete) sobem ao palco do Circo Voador e recebem a cantora Roberta Sá no lançamento de “Alegria”.

O repertório do show transporta adultos e crianças para as aventuras do Sítio do Pica-pau Amarelo, com o tema clássico de Gilberto Gil, para as missões resgate da princesa Peach, de Mario Bros, e ainda para um tour por Bedrock, cidade natal de Fred e Barney, ao som de Hoyt Curtin. “Asa branca”, de Gonzagão, e a inédita “Melancia” também estão entre as escolhidas para animar o Bailinho.

Sobre o disco
Com arranjos de Vittor Santos, Hamilton construiu junto com Marcos Portinari, seu parceiro criativo, a concepção artística desse novo trabalho. “Terminamos por criar uma sonoridade rica e criativa em que a Orquestra e o Hamilton unem-se de forma singular, a partir da escrita genial de Vittor Santos. Esperamos que todos se divirtam tanto quanto nós nos divertimos”, diz o maestro Leandro Carvalho.

“Esse disco foi feito por uma linha comum e especial: se você tem alegria, a vida segue, ela é um fundamento básico, individual, coletivo e imprescindível da vida, ou seja, é a eterna criança, é a brincadeira, são essas melodias que transmitem o sentimento universal do amor. A música serve como canal de comunicação entre adultos e crianças”, ilustra Hamilton de Holanda.

Entre as dez faixas que compõem o álbum, estão ainda o Medley com Lullaby Brahms e temas infantis muito conhecidos pelos brasileiros como “A casa”, “Se essa rua fosse minha”, “O Pato” e “Peixinhos do Mar”, de autores como Vinícius de Moraes, Toquinho, Sérgio Endrigo, Sérgio Bardotti e Paulo Soledade. Para completar a jornada, Hamilton escreveu especialmente para este disco a inédita “Suíte da Infância”, organizada em três movimentos, e trouxe consigo a “Criançada Reunida”, peça de Rogério Caetano, outro importante instrumentista brasileiro da atualidade.

Com direção artística de Hamilton de Holanda, Marcos Portinari e Leandro Carvalho, “Alegria” foi  gravado em fevereiro de 2015 no Estúdio Inca, mixado por Thiago Marques e masterizado por André Dias. O álbum, lançado pelo selo Brasilianos e distribuído pela Sonora, está disponível nas principais lojas do país e também nos sites de vendas. Ouça a discografia completa nas principais plataformas digitais.

Crítica: Hamilton de Holanda mostra seu olhar sobre Pixinguinha em DVD

Bandolinista e amigos se lançam com devoção e liberdade sobre obra do homenageado

Hamilton de Holanda com o acordeonista Richard GallianoFoto: Divulgação
Hamilton de Holanda com o acordeonista Richard Galliano - Divulgação

-

POR LEONARDO LICHOTE

23/08/2016 4:30
-

RIO — Pixinguinha é, sim, “muito grande, uma bandeira”, como define o pianista cubano Omar Sosa, um dos convidados do DVD “Mundo de Pixinguinha — Ao vivo” (Brasilianos/ Crioula Records/ Canal Brasil). O registro do show — feito a partir do disco em homenagem ao compositor lançado por Hamilton de Holanda em 2013 — ilumina essa grandeza, mas não se limita a isso.

O bandolinista e seus amigos se lançam com devoção sobre a obra de Pixinguinha, mas sobretudo com absoluta liberdade — assim, tendo um artista como ponto de partida, se esparramam sobre temas ainda maiores, como o Brasil (Villa-Lobos, Paulinho da Viola, Luiz Gonzaga), o mundo (nas composições próprias de cada um) e o sentido das fronteiras (afirmadas e dissolvidas a cada compasso).

Hamilton tem um único momento solo, a abertura, com “Naquele tempo”, afirmação clara desse encontro de devoção e liberdade. Depois, o que se vê é o diálogo vivo e quente de percepções musicais e linguagens únicas que se encontram no prazer acima da técnica (impecável em todos eles).

O pianista André Mehmari é o primeiro a ser chamado a dividir o palco com Hamilton. Juntos, homenageiam Pixinguinha tangenciando-o. Primeiro, em “Nasce um anjo” (do pianista) e “Capricho de Pixinguinha” (do bandolinista). A primeira tem o enlevo de culto, da Beleza com maiúscula, enquanto a segunda carrega o sabor de chão negro, amaxixado — amarrando duas perspectivas de Pixinguinha que se completam.

Ao lado de Sosa, em números como “Yaô” e “Dos caminos”, Hamilton explora terrenos como o samba-jazz e o bebop — as sandálias do pianista marcando o tempo no chão e os búzios no seu pulso próximo das teclas ajudam a explicar o que se ouve ali. O acordeonista francês Richard Galliano faz de “Agradecendo” uma valsa francesa, visita Dominguinhos (“Ciao São Paulo”, dedicada a ele) e Sivuca (“Feira de mangaio”). O italiano Stefano Bollani mostra sotaque carioca na fala e na leitura de “Segura ele” e mesmo no humor de sua “Il Barbone di Siviglia”.

Do início ao encerramento, com “Carinhoso”, Hamilton e seus amigos revelam mais de seus olhares sobre Pixinguinha do que do próprio Pixinguinha. Bandeiras servem pra isso, no fim das contas — referências cujo sentido reinventamos e a partir das quais nos reinventamos.

“Mundo de Pixinguinha — ao vivo”

Hamilton de Holanda

Cotação: Ótimo

Hamilton de Holanda lança vídeo clipe de “Vai trabalhar vagabundo”

“Vai trabalhar vagabundo” é o primeiro vídeo clipe do recém-lançado “Samba de Chico”, álbum em homenagem ao centenário do samba e ao Chico Buarque, que traz 12 releituras de sambas do compositor carioca e uma música autoral que dá nome ao trabalho.

Gravada há 40 anos, “Vai trabalhar vagabundo” ganha uma nova roupagem com Hamilton de Holanda e Chico Buarque. Dirigido por João Felipe Freitas, o clipe conta a história de um músico feirante que aproveita seu descanso para tocar bandolim.

No clipe, o bandolim de 10 cordas de Hamilton é elegantemente acompanhando por Thiago da Serrinha na percussão e pelo contrabaixista Guto Wirtti. O bandolinista conta ainda com a participação do pianista italiano Stefano Bollani. O trabalho ganha o aval do homenageado, que há mais de 20 anos não cantava “Vai trabalhar vagabundo”.

Compre o CD: https://geo.itunes.apple.com/br/album…

Siga Hamilton de Holanda no Spotify: https://open.spotify.com/artist/5Bn4j…