HAMILTON DE HOLANDA

BLOG / Autor: mportinari


Examples-Essay On Short Stories And Their Popularity

One particular of the important segments is the qualified buyers who are intrigued in performing their very own dwelling advancement developments.

A different segment of the firm is the acquire it by yourself. This is the segment that purchases the firm’s merchandise but they involve a properly trained human being to put in the products and solutions in their homes. Some of the industry experts that are intently involved with Dwelling Depot include the contractors, Electricians, Plumbers among the other people. This segment of buyers supplies a major portion of the company’s revenue because it is associated in large tasks that have to have huge scale materials.

  • Essay Writing Companies Review
  • Help With Writing Essays At University
  • Paper Essay Writing
  • Write A Process Essay
  • Write My Essay Toronto
  • Disadvantages Of Essay Writing

rnIn buy to preserve a substantial degree of functionality, Dwelling Depot is dedicated to deliver a excellent operating issue for workforce. In buy to realize most manufacturing from its staff, the enterprise has come up with different strategies of rewarding the major undertaking workers. This has significantly enhanced the all round amount of efficiency.

Dissertation Statistics Help

Staff members are also concerned in generating critical decisions that influences the firm. This considerably will increase the efficiency of the corporation.

College Essay Writing Assistance

rnFor corporations in any industry structure the most crucial aim is normally earnings maximization. They are often searching ahead to receive supernormal or abnormal revenue. In the beautifully competitive current market the abnormal gains are just a feature of thesis tutor the quick run. This comes about for the reason that the irregular earnings acts as an incentive for the companies to enter the sector in get to advantage from the profits.

Where To Buy Essay Papers

As we have now talked about that the perfectly aggressive business has no boundaries to entry and exit. With the absence of obstacles the companies will very easily enter the current market and this in turn will improve the all round provide in the industry.

With the enhance in offer the sector cost will go downwards thereby, ending all options for irregular profits for the companies. rnBamford et al. (2002) Economics for A Amount, 164-166rnPerfect competitiveness is on just one extraordinary of the spectrum. Whilst it could not exist in our earth nowadays it performs an crucial purpose as a product to review when analyzing levels of level of competition (Bamford et al. The product of ideal competitiveness is dependent upon 4 assumptions. rnThere are really a couple of reasons why great levels of competition is particularly unusual or even nonexistent in the world currently.

1 cause driving this is the economies of scale. For best competitiveness to exist firms have to be really successful meaning that they have to reach economies of scale. rnIn excellent competitors as mentioned in the assumptions previously mentioned it is assumed that there are several compact companies and that they are unable to do anything at all to influence the market rate. The firm’s contribution to the market and industry is so little that even if it changes its output it will have no result on the current market price of the merchandise. Thus, the company can develop any amount hoping to market all of it at market place cost.

Taking into consideration this it is derived that the need curve is correctly elastic and therefore, marginal profits attained for just about every more output offered is very same in the course of. For that reason, the marginal earnings is equal to ordinary revenue (Bamford et al ). rnHowever, if full profits equals complete coast (TR=TC), then the firm is hardly producing it to the breakeven position. It is this place the place the agency is earning ordinary earnings. rnThus, thinking about that the individual firms do not have an affect on the current market selling price the only actual determination which they have to make is the amount of output to be made.

This selection can be taken by getting into account the expenditures of generation. Taking into consideration the primary objective of the company is to maximize profits it will create at the issue exactly where marginal costs equals marginal income (MC=MR). (Bamford et al.

2002)rnLoss making firms in the short run will initially look to cover the variable expenditures and then search forward for the boost in the current market selling price of the great. If this does not transpire it will seem to minimize its costs.

Se vc se importa com música, deveria vc abandonar o Spotify?

Matéria do New Yorker http://www.newyorker.com/online/blogs/sashafrerejones/2013/07/spotify-boycott-new-artists-music-business-model.html

JULY 19, 2013

IF YOU CARE ABOUT MUSIC, SHOULD YOU DITCH SPOTIFY?

On Tuesday, a press release from Nielsen SoundScan announced that Jay Z’s “Magna Carta… Holy Grail” had experienced “the biggest first week for an album in Spotify history,” with “over 14 million streams in the U.S., topping recent new releases from Mumford & Sons, Daft Punk, Justin Timberlake, Kanye West and many more.” The album also had “the biggest single day for an album in Spotify U.S. history.” But here’s something, call it a hedge: Jay Z (whose midlife-crisis red Ferrari was removing his hyphen) sold a million copies of “Magna Carta” to Samsung at five dollars a pop. They were then given away for free to a million Galaxy phone owners seventy-two hours ahead of the official release date, through a specific app, which was apparently buggy, to the dismay of the rapper, who was nonetheless not dismayed enough to return the five million dollars he’d earned before the album was even available for purchase.

The Samsung deal does not sound like the plan of a man who was depending on Spotify for revenue. (The album went on to sell a million traditional, non-Galaxy copies in the first two weeks.) But this is only inference; there have been many explicit complaints about the streaming service. A few days ago, the collaborators Nigel Godrich and Thom Yorke removed a batch of the albums they’ve been involved with from Spotify. Godrich took to Twitter to explain why Atoms For Peace, Ultraísta, and Yorke’s solo album “The Eraser” would no longer be available. This Storify thread condenses tweets from both Godrich and Yorke, who was less vocal, into an adequate summary. (To read every single thing Godrichand Yorke tweeted on this subject, visit their respective Twitter feeds.) The shortest version is that the Spotify model does not favor new artists. The larger grumbling about streaming services in the musician community is that the various services, which are governed by fluid and complex laws that are changing as we speak, favor nobody but the major labels that helped fund and grow some of them.

David Lowery, of the rock band Cracker, recently posted a royalty statement from the “internet-radio” site Pandora and then posted similar statements from satellite and terrestrial radio stations, exposing the extremely low revenues he received from Pandora. Which should probably concern you, at least a little.

On Twitter, Godrich’s main point was that Spotify is geared to reward catalogue recordings (he mentions EMI’s golden pig, Pink Floyd) that have long since recouped any costs and are profitable for labels. The rates for these catalogue streams—though most are unaware of this—are higher than rates offered to smaller, newer acts.

The issue beneath all the complaints about micropayments is fundamental: What are recordings now? Are they an artistic expression that musicians cannot be compensated for but will create simply out of need? Are they promotional tools? What seems clear is that streaming arrangements, like those made with Spotify, are institutionalizing a marginal role for the recordings that were once major income streams for working musicians—which may explain the artist Damon Krukowski’s opinion that music should simply be given away, circumventing this entire system. But first, some words from Godrich, from his Twitter feed, condensed and edited for clarity.

We’re off of Spotify. Can’t do that no more, man. Small, meaningless rebellion. The reason is that new artists get paid fuck-all with this model. It’s an equation that just doesn’t work. Plus, people are scared to speak up or not take part, as they are told they will lose invaluable exposure if they don’t play ball. Meanwhile, millions of streams gets them a few thousand dollars. Not like radio at all. If you have a massive catalogue—a major label, for example—then you’re quids in. It’s money for old rope. But making new recorded music needs funding. Some records can be made in a laptop, but some need musicians and skilled technicians. These things cost money. Pink Floyd’s catalogue has already generated billions of dollars for someone (not necessarily the band), so putting it on a streaming site makes total sense. But if people had been listening to Spotify instead of buying records in 1973, I doubt very much if “Dark Side” would have been made. It would just be too expensive.

Streaming suits catalogue but cannot work as a way of supporting new artists. Spotify and the like either have to address that fact and change the model for new releases or else all new music producers should be bold and vote with their feet. Spotify say they have generated $500 million for “license holders.” The way that Spotify works is that the money is divided up by percentage of total streams. Big labels have massive back catalogues, so their forty-year-old record by a dead artist earns them the same slice of the pie as a brand new-track by a new artist. The big labels did secret deals with Spotify and the like in return for favorable royalty rates. The massive amount of catalogue being streamed guarantees that they get the massive slice of the pie (that $500 million), and the smaller producers and labels get pittance for their comparatively few streams. This is what’s wrong. Catalogue and new music cannot be lumped in together. The model massively favors the larger companies with big catalogues.

However, Spotify needs the new artists to be on the system to guarantee new subscribers and lock down the “new landscape.” This is how they figure they’ll make money in the future. But the model pays pittance to the new artist right now, an inconvenient fact which will keep surfacing. I feel a responsibility to speak up when I see something going on which I think is unfair. It’s up to streaming providers to come back with a better way of supporting new music producers. It’s not for us to think up how it could work. That’s your department. Over. That’s all I gotta say really. Sorry for the rant. Actually; one more thing: read this.

What Godrich linked to is a Pitchfork article written by Damon Krukowski, of Galaxie 500 and Damon & Naomi. This piece stands as one of the clearest explanations of streaming revenue. (Yorke ended his less detailed tweeting with a link to this Guardian editorial by the independent musician Sam Duckworth, who confirms that, as Yorke and Godrich said, Spotify does little for small artists.) It is best to read Krukowski’s entire piece, but, in short, it touches on the slightly mind-bending rules around which service is compelled to pay which fees to whom, and the larger question of how these services relate to music, if at all. What is being exploited and sold is a functionality—the Web, wired and otherwise—that can bring you music in plenty of ways.

Krukowski responded to Godrich and Yorke through Twitter, after Godrich had already linked to his article. His punch line in these tweets was slightly more radical (and shorter) than his Pitchfork piece: let’s just make recordings free and entirely disable companies like Spotify. We had a brief exchange about the streaming world, also condensed and edited:

Damon Krukowski: I’ve always been fascinated by the fact that at the beginning of recording, the courts ruled that you couldn’t copyright a given performance of music because it was nothing more than vibrations in the air—and who can say they own the air? As I understand it, the history of record “labels,” “mechanical” royalties, album art, and all the rest began as an end run around that rather pataphysical ruling. Recording companies were looking to copyright all they could, since they couldn’t lay claim to the immaterial vibrations at the core of their products.

So here we are at the other end of that long century of cylinders, records, tapes, and discs, with more or less the same problem that started it all—because who can say they “own” a digital stream of information, any more than the air?

Spotify, Pandora, Apple, and the rest are doing what they can to make us believe they own that stream, just as recording companies did by copyrighting all the ancillary bits of albums. But they don’t. Just like the record companies at the beginning, they own only the means of delivery, not the music itself.

I think if we accept that basic truth—that no one can own the stream, any more than the air—then we can start from a more solid place to rebuild how and why we might compensate those involved in the production of recordings.

Sasha Frere-Jones: How, logistically, do we do that? It is still fairly easy to get a free copy of almost any recording through torrent clients, often in audio formats more sophisticated than any offered commercially for sale. (There is a growing cohort of amateur audio buffs who use their own high-end gear to produce digital files, like Professor Stoned, who is just one of thousands providing better digital fidelity than iTunes has ever offered, or likely will.) For those who don’t like to dig, Spotify is a pretty handy tool for quick discovery and recovery, but I would happily never touch it again if I could pay into a service that compensated artists more fairly. (My own band’s label, Southern, pulled all of our records for a while, exactly for the same reason Godrich and Yorke did, though I think the albums may have returned.) What would the new world look like?

Krukowski: Ooh, thank you for that Professor Stoned link! Along those lines, I’ve been a follower of Mutant Sounds—but it and a number of music blogs have gone off the air, so to speak, because the file-sharing services they depend on have been closed or pressured by anti-piracy to take their files down.UbuWeb persists, and is an incredible resource for the avant-garde altogether, but its publisher Kenny Goldsmith’s mantra is “don’t trust the cloud”—he’s always urging his followers to download the files now, while they still can. It’s like this briefly wild, lawless digital era is coming to an end, as its channels are monetized. Or maybe we could even say they are only now being privatized, after having existed in a kind of pre-property idyll.

But back to your question about the world ahead—I feel a bit like those Marxists when they are inevitably asked, O.K., but what happens after the state withers away? It certainly sounds like a dodge, but I sincerely think we won’t know till it happens. Or then again, maybe it has already happened, without our realizing—recordings are already essentially worthless in the marketplace—and it’s these heavily capitalized businesses like Apple, Spotify, and Pandora that are setting the agenda for the new order. I don’t think they have a claim over it, not in a moral and I am pretty sure not in a legal sense, either—but they are the ones loudly staking the claim. What I’m thinking is, What if we call their bluff? Maybe no one will end up being paid for recordings, in that case—but as it stands, musicians aren’t anyway.

Frere-Jones: It bears repeating the obvious here, as a dark sort of coda, that recordings have often been poor sources of income for artists. There are major-label artists that never manage to recoup the money spent on their albums, and earn like sharecroppers. Or I could just look at my own band, Ui, now defunct. Nothing went wrong with our career—we just played instrumental music and didn’t tour particularly energetically, so we sold in the fairly low thousands. Even with relatively low costs, the albums only barely recouped. Our income from recordings probably adds up to no more than a few hundred dollars, which doesn’t lessen my love for them. I’d happily put them up for free on the Web in high-resolution formats. And that, paradoxically, might move a few of the vinyl copies that Southern has stowed away in its warehouse somewhere. It was kind of them to put up with our lazy asses in the first place.

Krukowski: I think it’s true in book publishing as well, that everything pretty much loses or breaks even, except for the monster hits which pay for it all. That model is broken if nothing can break anymore. But maybe it’s not such a good model to defend?

.


Novidades por aí

Logo logo saindo do forno TRIO. O novo disco do Hamilton de Holanda que conta com a participação de André Vasconcellos no contrabaixo e Thiago da Serrinha na percussão.

A capa do novo disco é a foto “Vulnerável”, do premiado fotografo indonesiano Henky Kuncoro, indicado ao prestigioso prêmio Hasselblad 2014.

Designer da capa: Fernando Salles.

Hamilton de Holanda Trio

Very soon from the oven TRIO. The new album from Hamilton de Holanda that includes the participation of André Vasconcellos on bass and Thiago Serrinha on percussion.
The album cover is the picture “Vulnerable”, from the award winning photographer Henky Kuncoro, nominated for the prestigious Hasselblad Award 2014.

Cover Designer: Fernando Salles.

Teaser Hamilton de Holanda Trio

Novas maneiras de abordar o consumidor

No globo online dia 21/06/2011 :

Para os Kaiser Chiefs, o conceito de álbum – um disco pensado da primeira à última faixa, incluindo a capa e todos os seus detalhes – já era. Pelo menos, é o que parece pela inovadora, mas discutível, estratégia de lançamento do seu quarto trabalho, “The future is medieval”. Antes de ver a luz do dia, em formato “oficial”, na próxima semana, o disco já pode ser comprado, desde o começo deste mês, em versão “customizada” pelo público.

Para isso, basta acessar o site do grupo inglês (kaiserchiefs.com), ouvir trechos das faixas (são oferecidas 20), escolher dez, selecionar o desenho para a capa (e a cor do fundo também) e, pronto, você pode comprar a sua própria versão de “The future is medieval”. Pode também deixar sua versão no site ou oferecê-la nas redes sociais. Cada vez que alguém comprá-la, você ganha um troco. Parece um bom negócio, em sintonia com os dias atuais, participativos, de plena interatividade.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2011/06/20/kaiser-chiefs-exageram-na-interatividade-ao-entregar-fas-edicao-do-novo-disco-924727327.asp#ixzz1PuhsYtb6
© 1996 – 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

Direitos autorais, mais um lado da polêmica, e você o que acha?

“Do meu direito autoral não abro mão.” Declarações como esta do cantor e compositor Caetano Veloso demonstram que ainda há muita confusão na discussão do direito autoral na internet, constata o diretor da Campus Party Brasil. “Não existe nenhum movimento que obrigue autores a liberarem suas obras por meio de licenças  Creative Commons ou qualquer outro tipo de licença”, esclarece em entrevista concedida à IHU On-Line, por telefone.

Na opinião de Marcelo Branco, manifestações como a de Caetano tem o objetivo enquadrar a internet e remetem ao Projeto de Lei do deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MB), que ficou conhecido como AI-5 Digital. “A reação de artistas tradicionais em defesa da ministra Ana de Hollanda revelou uma discussão ainda pior do que a retirada do selo do Creative Commons do site do Ministério. Revelou uma defesa, de certa forma, do Projeto de Lei do Azeredo, o AI-5 Digital, que quer punir e criminalizar com até três anos de cadeia quem estiver baixando músicas pela internet”.

A revolução tecnológica propiciada pela internet exige mudanças na atual lei do Direito Autoral, a qual, segundo Branco, deve “admitir aos avanços da internet e descriminalizar as práticas de compartilhamento de arquivo P2P”. Marcelo Branco lembra ainda que o Brasil é um dos países que mais consome música nacional, entretanto, a balança de pagamentos de royalty de direito autoral do país é desproporcional. “O Brasil paga dois bilhões de dólares anuais porque as empresas donas dos direitos dos autores brasileiros são estrangeiras”.

Marcelo D’Elia Branco é diretor da Campus Party Brasil. Consultor para sociedade da informação, ele é coordenador do projeto Software Livre Brasil e também ocupa o cargo de professor honorário da Cevatec, além de ser membro do Conselho científico do programa internacional de estudos superiores em software livre na Universidade Aberta de Catalunha.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Qual sua reação diante do posicionamento da ministra da cultura, Ana de Hollanda, no início do ano, em relação à retirada do selo do Creative Commons do sítio do ministério? Qual é o valor simbólico deste ato?

Marcelo D’Elia Branco – Fiquei surpreso com a iniciativa do Ministério da Cultura. Nesta ocasião estava acontecendo a Campus Party, o maior encontro de internet do Brasil, e eu e diversos ativistas participamos de uma ação de crítica à posição da ministra, no Twitter.

A atitude dela foi incompreensível em função do acúmulo que o governo brasileiro tem em relação a esse tema. A posição brasileira em defesa das licenças flexíveis foi construída ao longo dos anos pela sociedade civil. Por isso, acredito que a retirada da licença Creative Commons foi um erro político cometido por alguém que está chegando ao Ministério, não domina o tema e tem um histórico de defesa ao direito autoral e ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad).

Desde o acontecimento, tenho lutado para que, de várias formas, se possa informar ou formar a ministra sobre o histórico do Creative Commons . É pouco provável que vai haver um retrocesso no governo Dilma em relação ao tema do direito autoral. A retirada do selo (da licença) Creative Commons tem um valor simbólico de enfrentamento com as políticas do governo Lula. Na prática, isso não significa que o Ministério tenha alguma posição referente ao direito autoral, até porque essa questão será discutida em todos os âmbitos do governo. De qualquer modo, esse ato demonstra que ainda há posições conservadoras e reacionárias em relação ao direito autoral na internet.

IHU On-Line – O senhor acompanhou as declarações de Caetano Veloso a favor do direito autoral e a discussão que isso gerou no Twitter? Como interpreta a manifestação dele? O que suas declarações demonstram?

Marcelo D’Elia Branco – A Manifestaçao de Caetano Veloso, publicada em O Globo, criticando a internet, chamou minha atenção. Ele disse: “Do meu direito autoral não abro mão”. Há uma enorme confusão em relação a essa discussão do direito autoral na internet. Não existe nenhum movimento no Brasil que obrigue autores a liberarem suas obras por meio de licenças Creative Commons ou qualquer outro tipo de licença.

O que está em discussão, quando se retira a licença Creative Commons do site do Ministério da Cultura, é saber qual será o destino dos conteúdos produzidos por funcionários públicos do ministério, pagos com dinheiro público. O selo Creative Commons no sítio do Ministério não significa que será preciso enquadrar os artistas, obrigando-os a aderirem ao Creative Commons. Pelo contrário, diz respeito ao conteúdo produzido por jornalistas e postados online.

Nova polêmica

A retirada do selo do sítio do Ministério abriu uma discussão ainda pior, que se manifesta em declarações de artistas como Caetano Veloso, os quais acham que é preciso enquadrar a internet. Isso remete para o Projeto de Lei do Azeredo, o AI-5 Digital. Quando Caetano deu aquela declaração, ele não estava polemizando sobre a retirada da licença Creative Commons do sítio do MinC. A reação de artistas tradicionais em defesa da ministra Ana de Hollanda revelou uma discussão ainda pior do que a retirada do selo da Creative Commons da internet. Revelou uma defesa, de certa forma, do Projeto de Lei do Azeredo, o AI-5 Digital, que quer punir e criminalizar com até três anos de cadeia quem estiver baixando músicas pela internet. De certa forma, quando Caetano diz “no meu direito autoral ninguém mexe”, subentende-se que é preciso enquadrar os internautas. Ele está querendo uma lei igual a do Azeredo, a qual foi altamente condenada pela sociedade brasileira.

Quem não quiser dividir suas obras e mudar a licença, não mude. A discussão principal deve ser em relação a políticas públicas, ou seja, o que o poder público vai fazer com seus conteúdos. Ele vai estimular políticas públicas na velha indústria decadente, continuar financiando o modelo de grandes gravadoras estrangeiras ou vai incentivar as licenças livres e o cenário de uma nova cadeia produtiva dos tempos da internet?

Se o Caetano não quiser que suas músicas sejam divulgadas, ele que guarde sua obra em uma caixinha. Ninguém vai obrigar os músicos a aderirem às licenças Creative Commons.

IHU On-Line – Qual é o maior problema da Lei do Direito Autoral no cenário da internet?

Marcelo D’Elia Branco – Só tem uma forma de impedir a circulação de música na internet: instaurando a quebra da privacidade indiscriminada. Para saber se o João está baixando uma música que está no computador da Maria, será preciso quebrar a privacidade do João e da Maria. Do contrário, não tem como saber. Então, o tema do direito autoral na internet precisa ser encarado como uma nova realidade, o compartilhamento precisa ser descriminalizado e não criminalizado.

A atual lei do Direito Autoral foi construída no século passado e não reflete a realidade do século XXI. Mantê-la é um grande retrocesso democrático.

IHU On-Line – Como o senhor vê o debate sobre a reforma do direito autoral no Brasil? O que dificulta mudanças?

Marcelo D’Elia Branco – Antigamente, o autor produzia um bem intelectual e, para que esse material chegasse ao público, era necessária uma indústria intermediária, com uma logística de distribuição cara, baseada na lógica industrial. Nesse modelo, o autor não se beneficiou porque teve de vender o seu direito autoral para a indústria intermediária. Então, dizer que no período anterior à internet o autor tinha direito sobre a sua obra é mentir. O autor precisava do intermediário para que sua obra chegasse ao consumidor. Tanto é verdade, que hoje muitos artistas não são donos de suas obras.

Com a chegada da internet, não existe mais necessidade da indústria intermediária. A cadeia produtiva da fábrica não existe mais e não tem sentido ela continuar intermediando a relação entre artistas e públicos e faturando com isso. No Brasil, 51% das vendas de CDs são destinadas à indústria intermediária. Então, não tem sentido o direito autoral construído para uma lógica industrial ser automaticamente reinterpretado da mesma forma em um cenário em que não existe mais a indústria intermediária.

É claro que a mudança da Lei do Direito Autoral se faz urgente para atualizar, sob o ponto de vista legal, as práticas comuns e que são produtivas para os artistas.

IHU On-Line – Nessa nova conjuntura, qual é o papel do Ecad? A ministra declarou também que o Ecad não precisa de supervisão estatal. Como o senhor vê essa declaração?

Marcelo D’Elia Branco – O Ecad é o dinossauro de tudo isso, tem um histórico de corrupção, não faz uma boa gestão dos direitos dos autores e não os repassa como deveria. A instituição é ameaçada por esse cenário já que nunca trabalhou em prol dos artistas e, sim, sempre foi favorável às gravadoras.

Na discussão do direito autoral, temos de diferenciar quais são os interesses dos artistas e qual o interesse das gravadoras e da indústria intermediária. O Ecad arvora como representante dos artistas, mas quando pergunto para eles como é a relação com a instituição, respondem que não tem interesse. Então, o Ecad pode ser útil para um pequeno grupo de artistas que se beneficiou com a era pop-star. Aquele artista que pede no camarim dez toalhas, 20 garrafas de champanhe francesa e vive como um ser superespecial está com os dias contados. A tendência agora é os artistas viverem dignamente com seus direitos autorais, fazendo shows e divulgando suas obras.

O Ecad tem de ser fiscalizado e deveria perder o monopólio. É absurdo que exista uma única entidade de arrecadação. O Ecad herda essa visão getulista. Os autores deveriam ter a opção de escolher qual a sua entidade arrecadadora e não nascer com o Ecad à tira colo.

IHU On-Line – Em que consistiria, hoje, uma reforma na Lei de Direito Autoral, considerando o avanço da internet, da cultura e da revolução tecnológica?

Marcelo D’Elia Branco – Em primeiro lugar, admitir os avanços da internet e descriminalizar as práticas de compartilhamento de arquivo P2P. Essa é uma troca de pessoa para pessoa sem fins lucrativos. É o mesmo que eu fazia quando comprava um vinil e, depois de escutá-lo, saia com ele pela rua, ia até a casa do meu amigo e escutava com ele. Então, quando se faz troca de música P2P pela internet, as pessoas não estão baixando as músicas de um servidor central ou aderindo à Pirataria. São músicas de pessoas que estão em casa e as disponibilizam por meio de dispositivos de compartilhamento de arquivo.

A cópia para fins de estudo deve ser contemplada pela nova lei do Direito Autoral. É preciso que as pessoas tenham o direito de tirar cópias de livros para estudarem. A cópia Xerox ainda é considerada crime no Brasil. Obras em extinção também devem ser disponibilizadas sem fins comerciais. Estas medidas fazem parte da ideia de flexibilização na lei do Direito Autoral, que é uma visão moderna e necessária do Direito e deve ser aplicada em países em desenvolvimento como o Brasil.

Pablo Ortellado diz que o Brasil é um dos poucos países do mundo que consome mais música nacional do que música estrangeira. No entanto, a balança de pagamentos de royalty de direito autoral do Brasil com o exterior é extremamente desproporcional. O Brasil paga dois bilhões de dólares anuais porque as empresas donas dos direitos dos autores brasileiros são estrangeiras. Então, o país não se beneficia com essa indústria cultural antiga.

A ministra Ana de Hollanda já teve o primeiro encontro com os membros da cultura digital. Parece que a reunião foi boa e a tendência é que a discussão sobre direito autoral continue sendo tratada da forma que vinha sendo discutida no governo Lula. Não tem como uma ministra quebrar uma política brasileira, internacional. O Brasil defendeu a ideia da flexibilização do direito autoral na Cúpula Mundial da Sociedade da Informação, em Genebra, no ano de 2003, abriu uma agenda na Organização Mundial de Propriedade Intelectual chamada Agenda de Desenvolvimentos e quer rediscutir a questão do direito autoral e da propriedade intelectual.

O governo tem uma política bem consolidada neste sentido e Dilma, quando candidata à presidência, teve um encontro com Larry Lessy, criador das licenças Creative Commons no mundo, onde eles trocaram várias ideias. Ele disse para a presidente que o Brasil pode ter a lei do direito autoral mais avançada do mundo. Dilma repetiu a frase dele em uma mesa de debate na Campus Party. Nós esperamos que isso aconteça.

IHU On-Line – A partir do momento em que a base tecnológica do governo, dos veículos de comunicação e do público é a mesma, o que muda, política e socialmente?

Marcelo D’Elia Branco – Esse é o grande debate. Muda muito. Até onde essa mudança irá chegar, não sabemos, mas temos de discutir. É obvio que se a plataforma de mídia é a mesma, exige-se uma comunicação mais horizontal não só para que o público possa criticar as propostas do governo, mas para que, principalmente, possa construir junto as novas propostas do governo.

IHU On-Line – Os brasileiros aderiram ao software livre? Como vê a adesão no país?

Marcelo D’Elia Branco – O Brasil tem sido um dos países do mundo onde o software Livre é mais discutido. No mundo dos servidores e das empresas, ele tem avançado bastante. A batalha é chegar no usuário final e em torno disso há uma nova discussão: o acesso a computadores com software livre. De qualquer modo, ele ganhou bastante espaço no meio técnico: tudo que faz a internet funcionar é software livre: WordPress é software livre, as plataformas dos blogs funcionam a partir dele. Então, o desafio é que o usuário abra mão do MS Office e do Windows. A internet pouco a pouco vai superando essa ideia.