HAMILTON DE HOLANDA

Blog


Prêmio Profissionais da Música promete edição de sucesso em 2017

Correio Brasiliense 09/02/17

A premiação já conta com recorde de inscritos em relação a edições anteriores e traz nomes de destaque para a capital federal

Natalia Voss/DivulgaçãoHamilton de Holanda é candidato à semifinal do PPM

Em abril, ocorre a 3ª edição do Prêmio Profissionais da Música (PPM). O evento acontecerá entre os dias 28, 29 e 30 de abril no Cota Mil Iate Club. Idealizado por Gustavo Ribeiro de Vasconcellos, o PPM também conta com workshops, talkshows, showcases, mostra de documentários musicais, rodada de negócios e exposição fotográfica para apreciação do público.

Após um total de 1309 inscritos, 385 foram convocados para a semifinal. Entre os candidatos ao prêmio, estão nomes de reconhecimento da música brasileira, como Hamilton de Holanda e Clarice Falcão, além de vários outros nomes nacionais e internacionais. Os semifinalistas foram indicados em 53 categorias subdivididas nas modalidades criação, produção e convergência.

Para a próxima, e última fase, o público deverá votar nos candidatos preferidos através do site www.ppm.art.br,  entre os dias 9 e 19 de fevereiro. Por fim, os grandes vencedores do prêmio serão definidos pelo voto decisivo do júri.

O Distrito Federal participa em peso do prêmio, com 19 semifinalistas em criação, 9 em produção e 18 em convergência. Prova de que Brasília tem diversidade e qualidade em seu cenário musical. “A capital marca presença em categorias como hip-hop, produtor musical, blocos de carnaval e projeto especial educativo, por exemplo”, enumera Gustavo, idealizador do PPM.

Com edições passadas de êxito, que contaram com participações especiais de grandes nomes da música nacional, como Sandra de Sá e Roberto Menescal. A edição deste ano começou batendo recordes, com quase o dobro de inscrições de 2016 e promete ser inesquecível.

Alegria no Circo: Hamilton de Holanda e A Magnífica fazem segunda edição do Bailinho do Almeidinha

Alegria, alegria! Hamilton de Holanda e A Magnífica abrem o pré-carnaval infantil do Circo Voador, dia 5 de fevereiro, com o Bailinho de Carnaval do Almeidinha. Será uma tarde para as crianças caírem na folia ao lado dos adultos.

Aos 9 anos, Hamilton já tocava bonito e o instrumento ia-lhe, literalmente, no queixo. Era um garoto tocando as músicas de gente grande. Hoje, pai de duas crianças e com o seu bandolim com a carga de anos de experiência e estudos, Hamilton resolveu aventurar-se no universo infantil, seja na composição de temas inspirados na garotada, em workshops e oficinas dedicadas à educação musical, ou mesmo nas rodas familiares com o filho Gabriel e o sobrinho Bento.

No ano passado, o músico e a Magnífica celebraram o dia das crianças com o lançamento do primeiro disco infantil do bandolinista e a estreia do Bailinho do Almeidinha no Circo Voador. O sucesso foi tão grande que haverá uma segunda edição, desta vez com gostinho de carnaval.

Em 2015, durante uma turnê em Cuiabá, o bandolinista embarcou numa viagem musical com a Orquestra do Estado de Mato Grosso, regida pelo maestro Leandro Carvalho. O resultado foi “Alegria”, o 31º disco de carreira de Hamilton, que foi lançado em uma edição especial para crianças do Baile do Almeidinha, dia 12 de outubro, no Circo Voador. Alegria no Circo, como foi apelidado o evento, reuniu oficinas e música em uma tarde pra lá de divertida na lona da lapa.

Neste ano, a programação começa às 16h, com oficinas de percussão com o Quizombinha; acrobacia aérea, capoeira, roda de côco e brinquedos populares. Logo depois, Hamilton de Holanda (bandolim 10), Marcelo Caldi (acordeom) Rafael dos Anjos (violão 7 cordas), Guto Wirtti (contrabaixo acústico), Thiago da Serrinha (percussão), Xande de Figueiredo (bateria), Eduardo Neves (sax e flauta), Aquiles Moraes (trompete) sobem ao palco do Circo Voador.

O repertório do show transporta adultos e crianças para as aventuras do Sítio do Pica-pau Amarelo, com o tema clássico de Gilberto Gil, para as missões resgate da princesa Peach, de Mario Bros, e ainda para um tour por Bedrock, cidade natal de Fred e Barney, ao som de Hoyt Curtin. “Asa branca”, de Gonzagão, e a inédita “Melancia” também estão entre as escolhidas para animar o Bailinho.

ERRATA – Crédito de Compositor Benedicto Lacerda

No disco “Esperança – Ao vivo na Europa”, a música Vou vivendo foi creditada como sendo apenas de Pixinguinha. O correto é Pixinguinha/Benedicto Lacerda.

No Projeto “Mundo de Pixinguinha”, a música Segura ele foi creditada como sendo apenas de Pixinguinha. O correto é Pixinguinha/Benedicto Lacerda.

A Brasilianos se desculpa por informação divulgada incompleta fruto de um inocente erro humano.

Baile do Almeidinha abre Verão no Circo

O Baile do Almeidinha abre a programação de verão do Circo Voador, dia 6, e recebe a cantora catalã Silvia Perez Cruz e a galera do Jongo da Serrinha na sua primeira edição do ano, que terá ainda show de Edu Kriger e discotecagem do DJ Lecinho.

O Baile do Almeidinha é um retrato da excelência e da irreverência da alma musical do carioca. Acontece mensalmente há quatro anos no Circo Voador e dele participaram mais de 200 músicos convidados: Alcione, Diogo Nogueira, Arlindo Cruz, João Bosco, Pedro Luís, Roberta Sá, Yamandú Costa, Jorge Aragão, Maria Gadú, Bnegão, Zélia Duncan, Jaques Morelenbaum, Marcos Suzano, Mariene de Castro, Mariana Aydar, Duani, Xande de Pilares, baterias da Império Serrano, Portela, Mangueira, entre outros. E, recentemente, recebeu sua primeira atração internacional, a cantora catalã Silvia Perez Cruz.

A banda A Magnífica que acompanha o bandolim de 10 cordas de Hamilton de Holanda tem alguns dos principais músicos do Brasil: o gaúcho Guto Wirtti no contrabaixo; o brasiliense Rafael dos Anjos no violão; representando as origens do jongo, Thiago da Serrinha na percussão; nos sopros, o carioca Eduardo Neves tocando flauta, flautim e saxofone e o trompetista de Cordeiro, Aquiles Moraes; na bateria, o carioca, jurado de bateira das Escolas de Samba do Rio, Xande Figueiredo; e no acordeon Marcelo Caldi.

No repertório vale samba, forró, frevo, choro, xote e outros ritmos brasileiros para quem gosta de riscar o salão.  São compositores clássicos da Música Popular Brasileira como Paulinho da Viola, Tom Jobim, Pixinguinha, Cartola, Nelson Cavaquinho, Sivuca, Luis Gonzaga, Aldir Blanc e outros tantos bambas. Além de composições de Hamilton e de músicos da Magnífica, como Eduardo Neves e Guto Wirtti.

Hamilton de Holanda ganha Latin Grammy com Samba de Chico

Na última quinta, 17, aconteceu a 17ª premiação do Grammy Latino, em Las Vegas. Nas categorias mistas, Hamilton de Holanda se destacou e levou o gramofone por Música Instrumental pelo seu 30º disco, Samba de Chico. Lançado no primeiro semestre do ano, o trabalho é uma homenagem ao centenário do samba e ao compositor Chico Buarque.

Hamilton de Holanda, com seu bandolim de 10 cordas, é elegantemente acompanhando por Thiago da Serrinha na percussão e pelos contrabaixistas (revezando) Guto Wirtti e André Vasconcellos. O bandolinista conta ainda com as participações internacionais do pianista italiano Stefano Bollani nas faixas ‘Vai trabalhar vagabundo’ e ‘Piano na Mangueira’, e da cantora catalã Silvia Perez Cruz que canta ‘O meu amor’ e ‘Atrás da porta’ – ela confessa que aprendeu a cantar ouvindo o nosso idioma. O trabalho ganha o aval do homenageado em duas faixas, ‘A volta do malandro’ e ‘Vai trabalhar vagabundo’, música que não cantava há mais de 20 anos. “E o bandolim, rodeado de amigos, mostra suas raízes e seus frutos.”, finaliza Hamilton de Holanda.

O bandolinista foi diversas vezes nominado ao prêmio, sendo premiado também na edição de 2015, na categoria Melhor Canção Brasileira com “Bossa Negra”, parceria com Diogo Nogueira e Marcos Portinari.

Nove de seus discos configuram nas listas de indicações do prêmio: ‘Brasilianos’ (entre os melhores discos instrumentais no Latin Grammy 2007), ‘Brasilianos 2’ (entre os melhores discos de Jazz de 2008), ‘Luz da Aurora’, parceria com Yamandú Costa (indicado ao Melhor Disco Instrumental de 2010), ‘Brasilianos 3’ (nominado nas categorias Melhor Disco Instrumental e Melhor Engenharia de Som de 2012), ‘Hamilton de Holanda Trio’ (indicado entre os melhores discos de música Instrumental na edição de 2013), ‘Caprichos’ (nominado ao Grammy de 2014 como Melhor Disco Instrumental), ‘Bossa Negra’ (nominado Melhor Disco de Samba/Pagode de 2015 e nominado e premiado Melhor Canção Brasileira de 2015), ‘Baile do Almeidinha’ (nominado ao Latin Grammy 2015 como Melhor Engenharia de Som) e mais recentemente ‘Samba de Chico’ (nominado ao Latin Grammy 2016 como Melhor Disco de Música Instrumental e Melhor Engenharia de Som).